sexta-feira, 28 de novembro de 2008

décimo

Me dá você pra mim? Te compro de novo se já te vendi. Você nunca teve uma etiqueta com qualquer preço, e jamais te vi exposto em uma vitrine. Te encontrei no presente mais perfeito que a gente viveu, ele nem precisou de embrulho. Mas olha, não se preocupe, eu sei que essas coisas custam caro. E pode ter a certeza de que vou investir em cada beijo com seu sabor, todo abraço de lua cheia e conversa de fim de noite. Acho que ainda somos dois adolescentes sempre planejando a melhor parte da juventude. Então me deixa sempre sentir sua essência escondida no perfume do seu pescoço. Preciso tanto me perder do caminho de casa nos seus cabelos, nos seus olhos castanhos, nas suas mãos confortáveis. Vamos visitar cada canto nosso, andar como donos de uma cidade tão pequena quanto a breve beleza dos dias em que os seus sorrisos me fizeram feliz. A gente pode conquistar o mundo, ou apenas podemos conquistar o chão da praça mais bonita ao deitar e olhar as estrelas. Eu, olharei sempre pra você. Prometo que vou colocar sua foto num porta retrato na minha cabeceira, e que hoje eu quero você mais do que já quis ontem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário