sábado, 10 de janeiro de 2009

um pedaço do meu inferno

Eu quero que o sol venha secar meu rosto, e quero justo agora, que já é noite. Os dias bons não chegam nunca, e eu não sei até quando consigo esperar em segurança.
Nunca acreditei que esses títulos falassem tanto sobre alguém. Sabe, eu falo por mim, não monto discursos. E não tenho nada para barganhar caráter. Será que é nisso que eu perco?
É que dessa vez eu fiquei tão decepcionada. Já cheguei a ver isso antes, mas preferi não acreditar, fiz questão de esquecer. Agora, eu faço questão de abrir um espaço em destaque na memória para essa cena, eu quero me lembrar muito bem de cada frase, cada ameaça, cada agressão.
Acho tão fácil salvar só a sua parte boa para pendurar numa vitrine para os outros, mostrar só o que agrada. Quero ver alguém vencer a parte de aceitar os próprios defeitos, ser o que é sem esconder as fraquezas, os medos, as anormalidades. Posso não ser tanto, mas juro que prefiro não esconder o que sou, porque imagens montadas costumam cair, é a lei da gravidade. E um dia eu te vejo cair. Eu não tenho pressa, não se preocupe.

Um comentário:

  1. O sol já nasceu de novo. deixa isso pra trás. não vale a pena guardar. se valesse a pena nem entraria em questão guardar ou não. coisas boas entram na gente sem dar poder de escolha.
    Que seja doce o ano. bem doce.
    Um beijo.. sempre estou por aqui :)
    bjocas!

    ResponderExcluir