sexta-feira, 13 de março de 2009

pálpebras

Vem e fala comigo, não quero ter que sentir falta da sua voz. Eu não sei quanto tempo a gente tem para deixar correr com esses quilômetros de problemas. Estica para mim, estica as únicas mãos que eu adoro segurar. E deita, deita que eu quero te ver dormir. Então dou meu ombro para sua cabeça, meus beijos para sua boca, e desisto do meu sono para olhar as suas pálpebras.

Um comentário:

  1. essa sensação não tem sono que pague, é como sonhar acordado.

    :)

    =**

    ResponderExcluir