sexta-feira, 16 de abril de 2010

a fresta de não sei onde, o raio de não sei o quê

Um fio cor de sol atravessava a sala escura. Nasceu na parte baixa do chão esquerdo, se estendia em forma de arco e morria mais laranja do que o começo na outra ponta, tal como um arco íris de um único tom. O laranja era uma linha curva e nada mais. A sala que desde sempre nunca teve janelas, portas ou pessoas, estava destinada em ser apenas uma sala de quatro paredes que juntas representavam um quadrado. O quadrado pouco cíclico, formado por cantos que nunca iriam se juntar, ângulos que dentro daquele quadrado eram tão iguais. Até o dia em que um fio laranja atravessou a sala escura pela primeira vez. O pequeno clarão produzido por aquela novidade encheu a sala de outra coisa que não o negro. Era uma luz bonita, sedutora, e em cada canto da sala era visto um degrade diferente. Agora era uma sala escura com o fio da cor do sol.

7 comentários:

  1. que texto lindo, da até vontade de ler em voz alta

    ResponderExcluir
  2. *-* aai que curiosidade de saber oq havia alem daquela luz bonita e sedutora.
    Texto lindo. E eu amei o seu cabelo assim *-*
    Beijoos
    Mandy

    ResponderExcluir
  3. mesmo não entendendo a concepção,..achoq ue consegui imaginar bem a cena!

    ResponderExcluir