sábado, 5 de dezembro de 2009

sobre o coração

Na terra do coração passei o dia pensando - coração meu, meu coração. Pensei e pensei tanto que deixou de significar uma forma, um órgão, uma coisa. Ficou só com - cor, ação - repetido, invertido - ação, cor - sem sentido - couro, ação e não. Quis vê-lo, escapava. Batia e rebatia escondido no peito. Então fechei os olhos, viajei. E como quem gira um caleidoscópio, vi: meu coração é um sapo rajado, viscoso e cansado, à espera do beijo prometido capaz de transformá-lo em príncipe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário