segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

artimanhas ruins

Que vergonha, a maldita torcia para que ele tivesse a mesma sensação de falta que ela. Seu corpo pedia mais um pouco de velocidade artificial. Procurava nos assuntos proibidos uma maneira de construir sua armadilha. Eram com cutucões e alfinetadas de indiretas que pretendia pendê-lo para a tentação. Ela não havia se cansado, muito menos sentido o perigo soprar sua nuca, ainda era apenas um calafrio usual de dias gelados. Mais um cigarro, pensou, acendendo mais um cigarro teria tempo suficiente para atravessar o espaço que separava os pensamentos dela para os dele. Ela tinha que ganhar no silêncio a cura de um mal psicológico, antes que o psicológico se tornasse físico. Essas idéias que ela carrega são os inimigos. Esqueça-as, que vergonha!

3 comentários:

  1. Tem selinho pra vc no meu blog. :D

    ResponderExcluir
  2. achei meio difícil de construir cena sem um contexto. mesmo que esteja falando de vc, seria legal poder entrar mais no texto, parece meio restrito a quem sabe de algo anterior...

    ResponderExcluir
  3. Não quis que tivesse contexto.
    Era pra ser perdido, quebrado, do jeito que tá mesmo.

    Ninguém sabe de nada anterior... Não sou eu. rs

    ResponderExcluir