quarta-feira, 23 de maio de 2012

da arte do amor

“(...) Ele veio e não tornou nada fácil, e nem difícil. Não veio como alguém que entra na sua vida pra fazer a diferença. Não veio como quem fica, senta, se acomoda. Nem como quem vai e deixa um rastro de saudade e destruição. Não veio pra ser minha primeira opção, ou segunda, ou última… Ele simplesmente veio e subitamente se tornou minha própria vida. Nunca foi uma opção, porque ele chegou e não me deixou outra opção a não ser amá-lo com tudo que tenho, com tudo que tinha, e com tudo que ainda teremos.”

Um comentário: