segunda-feira, 4 de maio de 2009

A volta do subjetivo

Eu viro pro lado, me cubro, descubro, e não durmo. A janela ainda que fechada me traz vento, e eu sinto frio, um frio por dentro. Não me lembro dos sonhos, puro medo dos segredos que escondo de mim. A noite anestesia, e o dia... é só o dia. De tudo o que eu preciso, não quero mais precisar.

Um comentário:

  1. sinto falta de quanto eram somente textos alegres.

    ResponderExcluir